Análise de prova: Prefeitura de SP

Olá,

hoje vamos analisar a prova que aconteceu no último domingo dia 15/11 para a Prefeitura de São Paulo, concurso organizado pela VUNESP com 95 vagas e muita concorrência! Essa é a versão 4 da prova, recebi de várias pessoas as diversas versões, aleatoriamente peguei essa, a diferença é a ordem das opções. Pelo que entendi só quem fez a prova tem acesso ao PDF.  Todas as questões da parte específica de biblioteconomia estão aqui, então se você não tem a prova, fica tranquilo 😉

41.Quanto ao início da Ciência da Informação, pode-se afirmar corretamente que:

(A) se desenvolveu para áreas de ciência pouco críticas para a sociedade e para provisão dos meios de fornecimento de informações relevantes.

(B) surgiu devido a questões editoriais que existiam há tempos e necessitavam de apoio tecnológico para produção.

(C) teve sua origem no século XVIII, com a revolução científica, técnica e social que se seguiu à Revolução Francesa.

(D) se desenvolveu historicamente para atender os problemas técnicos da sociedade industrial do século XIX.

(E) surgiu a partir da identificação do problema da explosão informacional e da tarefa massiva de tornar mais acessível um acervo sempre crescente

Análise:  Esse gabarito é super batido em vários artigos e livros da área de Ciência da Informação. Deixo um trecho de um artigo como exemplo:

” Nos Estados Unidos, o Congresso e outras agências governamentais aprovaram, durante os anos 50 e 60, inúmeros programas estratégicos que financiaram os esforços em larga escala para controlar a explosão informacional, primeiro na ciência e tecnologia, e depois em todos os outros campos. Empresas privadas uniram-se a eles. Eventualmente, esses programas e esforços foram responsáveis pelo desenvolvimento da moderna indústria da informação e das concepções que a direcionam”

SARACEVIC, Tefko.Ciência da informação: origem, evolução e relações. Perspec. Ci. Inf., Belo Horizonte, v. 1, n. 1, p. 41-62, jan./jun. 1996. Disponível em:<http://www.brapci.inf.br/_repositorio/2010/08/pdf_fd9fd572cc_0011621.pdf> Acesso em: 18.nov.2015

Gabarito: E

42. A informação assimilada modifica o estoque mental do indivíduo, ocorrendo então a produção do conhecimento,conforme conceito proposto por Aldo Barreto. Nesse sentido, a informação atua como

(A) definição relacionada somente à mensagem e aos símbolos produzidos para efetivar o processo de transferência.

(B) elemento dissociado do processo de informar e tornar o indivíduo informado.

(C) produto oriundo do ciclo da informação em que a mensagem e o código que lhe dá suporte estão representados no documento.

(D) agente mediador que se qualifica, em forma e substância, como estruturas significantes com a competência de gerar conhecimento para o indivíduo.

(E) conceito que participa da estruturação da informação em seu ciclo documental

 

Análise: Questão copiada e colada do artigo: BARRETO, Aldo de Albuquerque. A questão da Informação. Revista São Paulo em Perspectiva, Fundação Seade, v 8, n 4 , 1994. Disponível em: <http://goo.gl/Nq8wVs> Acesso em:18.nov.2015

Vejam:

“A informação, quando adequadamente assimilada, produz conhecimento, modifica o estoque mental de informações do indivíduo e traz benefícios ao seu desenvolvimento e ao desenvolvimento da sociedade em que ele vive.

Assim, como agente mediador na produção do conhecimento, a informação qualifica-se, em forma e substância, como estruturas significantes com a competência de gerar conhecimento para o indivíduo e seu grupo. “

GABARITO: D

43. A implementação de uma política de leitura como estratégia para a biblioteca pública serve para promover

(A)atividades que têm como princípio a manutenção da situação social.

(B)ações que têm por finalidade a acessibilidade e inclusão digital dos cidadãos.

(C)descoberta do mundo da escrita para incentivar o uso de recursos eletrônicos.

(D)democratização, socialização e transformação dos indivíduos e da sociedade.

(E)processos estáticos e intermitentes na ação dos movimentos sociais.

Análise: Quem teve atenção com a matéria pedida no edital já sabia que viriam várias questões sobre questões sociais e o papel da biblioteca como transformadora da realidade.  Acredito que essa questão não deixava dúvidas.

GABARITO: D 

44.No planejamento de uma biblioteca pública, é fundamental

(A)conhecer o potencial e a produção econômica local,embora não possa buscar patrocínio.

(B)analisar os documentos de amparo legal à biblioteca e revisar seu regulamento para refazê-lo.

(C) observar a comunidade, características e recursos locais, por meio de técnicas como entrevistas e análises.

(D)considerar informações e dados de pesquisas científicas externas para identificar recursos existentes.

(E)considerar que recursos materiais, humanos e financeiros são pouco importantes frente a aspectos sociais

Análise: Tratando-se de biblioteca pública é importantíssimo sabermos quem é a comunidade atendida.  Na opção A, é possível sim buscar patrocínio e parcerias. Na B, por qual motivo mudaríamos o regulamento logo de cara? Na D o erro é essas “pesquisas científicas” e a E completamente errada.  GABARITO C 

45.O mapa das bibliotecas da Cidade de São Paulo está disponibilizado para acesso na Internet porque todas as bibliotecas estão registradas

sp

(A) na Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados para o cadastro no Portal de Estatísticas do Estado de São Paulo.

(B) na Fundação IBGE para o cadastramento da população usuária potencial e visualização no banco de mapas de seu site.

(C) na Associação Brasileira de Normas Técnicas, para garantir a qualidade das bibliotecas e dos serviços prestados para os usuários.

(D) na IFLA com o objetivo de representação do interesse das bibliotecas, dos serviços de informação e dos usuários.

(E) no Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas com o objetivo do fortalecimento dessas bibliotecas no país.

Análise:  Quem é mais antenado nos grupos do facebook viu a uns meses atrás esse mapa sendo divulgado, mas mesmo se você não curte ficar no facebook, pode acompanhar o site do Sistema Nacional de bibliotecas. GABARITO E

46. Os relatórios considerados como instrumento para os processos de planejamento e avaliação do desempenho de uma biblioteca ou sistema de bibliotecas devem

(A) ter roteiro para a apresentação dos dados desestruturados dos serviços e produtos.

(B) ter definidas as variáveis necessárias ao instrumento por avaliadores externos.

(C) ter alinhamento de conceitos para entendimento único da natureza de cada serviço.

(D) utilizar apenas os dados disponibilizados pelos sistemas automatizados.

(E) ter variação nos critérios básicos que servem de padrão para a coleta de dados dos serviços.

Análise: O erro na opção A é o “desestruturados”, na B os avaliadores externos, relatório é feito para os “chefes”da instituição terem uma visão ampla so serviço realizado na biblioteca, na D “apenas dados automatizados”, e na E a “váriação nos critérios” como assim variar? Tem que adotar o mesmo critério para conseguir avaliar ao longo do tempo a evolução do tópico. GABARITO: C 

47. A comunicação visual em uma biblioteca refere-se a:

(A) aspectos de comunicação inseridos nos contextos dos documentos eletrônicos e da forma como podem ser recuperados.

(B) tudo o que o usuário pode ver, como avisos, sinalização, padrões de cores utilizados, grafismos e layouts.

(C) planejamento de ações de marketing nos produtos e serviços das mídias digitais.

(D) desenvolvimento de ações para melhoria da interface do site e do catálogo online.

(E) elementos de divulgação institucional nas mídias tradicionais.

Análise: Acho que a única plausível já é o gabarito mesmo.  Deixo uma apresentação da professora Marta Valetim para aprofundamento no tema AQUI.  GABARITO:B

48. Um documento de política de seleção deve ter como componentes:

(A) identificação dos responsáveis pela seleção de materiais, critérios utilizados no processo de aquisição e políticas específicas de conservação e preservação.

(B) critérios utilizados no processo, instrumentos auxiliares, políticas específicas para tombamento e documentos correlatos.

(C) identificação dos responsáveis pela seleção de materiais, critérios utilizados no processo, instrumentos auxiliares, políticas específicas para seleção e documentos correlatos.

(D) critérios utilizados no processo, instrumentos auxiliares, políticas específicas de conservação e preservação e documentos relacionados à aquisição das obras.

(E) identificação dos responsáveis pela aquisição de materiais, instrumentos auxiliares, políticas especí- ficas de conservação e preservação e documentos relacionados à aquisição das obras.

Análise:  Vergueiro (1989) esclarece que a política deve ser proposta por uma equipe ou comissão formada por profissionais, usuários, devidamente analisada e aprovada pelos órgãos competentes. Precisa ser explicitada por um documento flexível que permita acréscimo e modificações, o qual deve conter a identificação dos responsáveis, os critérios utilizados no processo, os instrumentos auxiliares, as políticas específicas e os documentos correlatos.

VERGUEIRO, Waldomiro. Desenvolvimento de Coleções. São Paulo: Polis: APB, 1989.

GABARITO: C 

49. O desenvolvimento de coleções na biblioteca deve incluir:

(A) política da seleção, alocação de recursos e planejamento de compartilhamento, avaliação de coleções para descarte, desbastamento e armazenagem em depósitos.

(B) avaliação da coleção atual para descarte, desbaste ou armazenagem em depósitos e distinção entre os procedimentos financeiros, de aquisição e processamento técnico.

(C) alocação de recursos, reavaliação de coleções, descarte, armazenagem em depósitos, distinção clara entre os procedimentos de aquisição e catalogação.

(D) análise de recursos de aquisição cooperativa, avaliação das necessidades dos usuários, reavaliação dos formatos e processos de tratamento do material adquirido.

(E) pesquisa sobre práticas de doação, permuta, sele- ção e aquisição, reavaliação das aquisições efetuadas, análise das práticas de formas de pesquisa e recuperação do material.

Análise: Questão que exigia bastante atenção. A C e D poderiam ser descartadas por falarem sobre a parte técnica. Na B o erro é por como uma das etapas o descarte da coleção atual.  E na letra E a reavaliação das aquisições. Para ajudar em estudos futuros o livro do Wergueiro em PDF AQUI. GABARITO: A 

50. Quanto à seleção de documentos eletrônicos, é correto afirmar que

(A) devem ser considerados aspectos de conteúdo de acordo com parâmetros de assunto definidos, facilidade de acesso, compatibilidade, suporte e custo.

(B) em termos de acesso, os documentos devem apresentar mecanismos de busca complexos que permitam atingir resultados mais completos.

(C) para documentos de acesso aberto, deve-se verificar a autorização do fornecedor para acesso em rede local e número de usuários.

(D) por serem recursos de interesse para os usuários nativos digitais, podem ter critérios de avaliação que flexibilizem os padrões de qualidade da coleção.

(E) as considerações de conteúdo devem ser diferentes daquelas feitas para documentos impressos, na medida em que se trata de outro suporte físico.

Análise: Para Wergueiro,

O aspecto CONTEÚDO é igual a atuação do mesmo aspecto nos impressos.

Quanto ao ACESSO, deve-se considerar a facilidade para realizar buscas, compatibilidade entre o documento eletrônico e o sistema de automação da biblioteca e autorização para uso da REDE LOCAL para disponibilização.

Quanto ao SUPORTE, vamos verificar os documentos auxiliares para uso, qualidade de manuais, tanto para manuseio do profissional quanto do usuário e a disponibilidade de suporte técnico.

O CUSTO tem peso grande aqui. Não é só adquirir, mas pensar na atualização, manutenção e uso.

GABARITO: A

51. A constituição formal de sistemas de bibliotecas, no que se refere à seleção e desenvolvimento de acervos,

(A) possibilita a obtenção de recursos humanos para a ampliação do processamento técnico de acordo com a necessidade de crescimento das coleções.

(B) cria os mecanismos que garantem captar e aumentar os recursos financeiros, permitindo a aquisição de materiais relevantes em maior quantidade.

(C) cria os mecanismos administrativos e financeiros para a seleção e aquisição dos materiais relevantes em maior quantidade do que o necessário.

(D) possibilita a obtenção de recursos financeiros para a ampliação do espaço físico a fim de garantir o crescimento das coleções.

(E) cria os mecanismos administrativos para a seleção planificada ou cooperativa das coleções, garantindo acessibilidade a materiais relevantes.

Análise: Segundo o dicionário de biblioteconomia, aquisição cooperativa é: ” sistema que consiste na organização e coordenação das aquisições, envolvendo duas ou mais entidades.” E aquisição planificada como um sinônimo.  GABARITO: E 

52. Na área de conservação e preservação de documentos, é correto definir

(A) preservação como o levantamento, estudo e controle das causas de degradação, permitindo a adoção de medidas de prevenção a serem aplicadas.

(B) conservação como o conjunto de medidas para a estabilização ou a reversão de danos físicos ou químicos adquiridos pelo documento ao longo do tempo e do uso, intervindo de modo a não comprometer sua integridade e seu caráter histórico.

(C) preservação como o conjunto de medidas para a estabilização ou a reversão de danos físicos ou químicos adquiridos pelo documento ao longo do tempo e do uso, intervindo de modo a não comprometer sua integridade e seu caráter histórico.

(D) preservação como o conjunto de medidas e estraté- gias de ordem administrativa, política e operacional que contribuem direta ou indiretamente para a prote- ção do patrimônio.

(E) conservação como o conjunto de medidas e estraté- gias de ordem administrativa, política e operacional que contribuem direta ou indiretamente para a prote- ção do patrimônio.

Análise: Pra não esquecer mais!

Preservação: é um conjunto de medidas e estratégias de ordem administrativa, política e operacional que contribuem direta ou indiretamente para a preservação da integridade dos materiais.

Conservação: é um conjunto de ações estabilizadoras que visam desacelerar o processo de degradação de documentos ou objetos, por meio de controle ambiental e de tratamentos específicos (higienização, reparos e acondicionamento).

Restauração: é um conjunto de medidas que objetivam a estabiliza- ção ou a reversão de danos físicos ou químicos adquiridos pelo documento ao longo do tempo e do uso, intervindo de modo a não comprometer sua integridade e seu caráter histórico.

Fonte: COMO FAZER CONSERVAÇÃO PREVENTIVA EM ARQUIVOS E BIBLIOTECAS

GABARITO: D 

53. Constituem-se agentes de degradação de papel do tipo físico, químico, físico-mecânico e biológico, respectivamente,

(A) poluição, bactérias e fungos, umidade relativa, brocas.

(B) guarda inadequada, luz, poluição, insetos.

(C) temperatura, manuseio incorreto, poluição, roedores.

(D) luz, poeira, manuseio incorreto, micro-organismos.

(E) desastres, poluição, guarda inadequada, traças.

Análise: 

Agentes físicos: luz, temperatura e umidade relativa.

Agentes químicos: poluição ambiental e poeira.

Agentes físicos mecânicos: guarda inadequada, manuseio incorreto e desastres.

Agentes biológicos: microorganismos (fungos e bactérias), insetos (baratas, traças, brocas, cupins e piolhos), roedores e o Homem.

Fonte: Manual feito pela Fiocruz que está no site da própria prefeitura de SP, veja AQUI.

GABARITO: D

54. Na análise de versões eletrônicas de uma enciclopédia, para aquisição, é fundamental observar:

(A) autoridade do editor e da editora, membros do conselho editorial, corresponsabilidade dos verbetes entre colaboradores e dados incluídos nos verbetes.

(B) acesso a remissivas, formato físico, ponto de vista, diagramação, forma de atualização, figuras, ilustra- ções, estampas e mapas.

(C) facilidade de utilização do programa, existência de caixa de pesquisa com estratégia de busca, uso de operadores booleanos e exportação da informação.

(D) alcance e cobertura dos verbetes, estilo de apresentação, facilidade de visualização, arranjo e método de alfabetação.

(E) propósito da edição da obra, alcance dos dados geográficos, políticos, científicos, históricos e culturais, tipo de arranjo e remissiva.

Análise: O que mata essa questão é a “facilidade de utilização do programa” é o primordial. GABARITO C 

55. São fontes secundárias de informação:

(A) traduções, bibliografias, dicionários bilíngues, dicionários multilíngues e livros.

(B) bases de dados, bibliografias, índices, biografias e catálogos de bibliotecas.

(C) bibliografias, normas técnicas, patentes, teses e dissertações.

(D) normas técnicas, traduções, bases de dados, bibliografias e índices.

(E) traduções, biografias, catálogos de bibliotecas, dicionários e enciclopédias.

Análise: Entre as fontes primárias estão os artigos de periódicos, os anais de congressos e eventos científicos, relatórios de pesquisa, patentes, dissertações e teses etc. Fazem parte das publicações secundárias as bibliografias, os dicionários e enciclopédias, os manuais, as publicações ou periódicos de indexação e resumos, artigos de revisão, catálogos etc. As fontes terciárias são as mais difíceis de definir e na JCU são apontadas como “a categoria mais problemática de todas” e raramente encontra-se a distinção entre fontes secundárias e terciárias. Conseqüentemente, os documentos incluídos nessa categoria variam muito, entre os quais bibliografias de bibliografias, diretórios, almanaques etc.

Fonte: PINHEIRO, L. V. R. P. Fontes ou recursos de informação: categorias e evolução conceitual.
Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação e Biblioteconomia. Rio de Janeiro, v.1,
n.1, 2006. Disponível em:<http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/pbcib/article/view/8809/4716> Acesso em: 18.nov.2015

GABARITO B

56. As questões de referência podem ser categorizadas pela complexidade da demanda de informação e pelo aumento da necessidade de negociação. Assinale a alternativa que contém apenas questões de maior complexidade.

(A) Orientação de caráter administrativo e espacial e consulta de referência rápida.

(B) Consultas sobre autor/título e consulta de localização de material.

(C) Consultas sobre autor/título e consulta de referência rápida.

(D) Orientação de caráter administrativo e espacial e consultas sobre autor/título.

(E) Consultas de pesquisa e consultas mutáveis.

Análise: Esse assunto é abordado pelo Grogan no livro de serviço de referência, basicamente:

Questões concretas que lhe forem formuladas são enquadradas em dois grandes grupos:

1) Auto-limitante, divididas em 3 diferentes categorias:

– Consultas de caráter administrativo e de orientação espacial.

– Consultas sobre autor/título.

Divididas em: ‘item conhecido’ ou consultas de confirmação, pois se tem certeza de que a obra procurada existe e ‘item não-conhecido’ ou de identificação, quando não se tem certeza da exigência de uma obra.

– Consultas de localização de fatos.

 Demandam a assistência limitada e constituída pelas consultas fatuais. Ex.: Quando o nome oficial do Maracanã?’

Uma minoria não apresenta esse aspecto auto-limitante: são as consultas de natureza aberta, que por isso exigem uma ajuda mais prolongada por parte do bibliotecário de referência.

2) Consultas de localização de material.

São as consultas de natureza aberta, e exigem uma ajuda mais prolongada. São as consultas de assuntos, buscas temáticas, de localização de material.

O que os usuários querem é uma  série  de  informações  sobre  o  tema  de  sua  consulta.

Não se pode afirmar que nenhuma delas tenha uma única resposta definitiva; em segundo lugar, nunca se chega a um ponto em que seja possível afirmar que a busca  foi  completada, pois  sempre  resta  a  possibilidade  de  pesquisas  adicionais  descobrirem novas  informações;  em  terceiro  lugar,  o  bibliotecário  só  saberá  se resposta  ‘certa’ foi fornecida depois de observar sua reação.

Requer todo o arsenal de conhecimento bibliotecário de referência e não apenas de conhecimentos bibliográfico.

3) Consultas mutáveis.

De autor/título para localização de fatos, caso haja incerteza sobre a primeira informação encontrada.

4) Consultas de pesquisa.

Localização  de  fatos  ou  localização  de  material,  que  se transformam em  consultas de pesquisa , significando buscas exaustivas. A busca  já  não  é  mais  suficiente:  necessita-se  de  ferramentas  mais especializadas de pesquisa, como dedução, hipótese, experimento, análise estatística; avaliação crítica, observação, pesquisas de opinião, método histórico, etc.

5) Consultas residuais.

Apresenta certa incoerência interna, lógica ou mesmo impossibilidade, imperceptível para o consulente. Exemplos: ‘onde fica o centro da Inglaterra?’, ‘como é que Jesus usava o cabelo?’.

6) Questões irrespondíveis.

Imagine uma pergunta sobre quantos homens lutaram nas guerras da idade média…

Fonte: http://biblioideiaseestudos.com.br/servico-de-referencia2/

GABARITO: E

 

57. Por meio do estudo do usuário, é possível

(A) definir parâmetros norteadores para gerenciamento eletrônico de documentos.

(B) determinar o nível de instrução e orientação compatíveis para a comunidade.

(C) definir as ferramentas necessárias para gestão de recursos institucionais.

(D) avaliar documentos a serem selecionados pelas bibliotecas.

(E) analisar diretrizes de conservação e preservação de documentos.

Análise: Acredito que a única possível confusão seria com a D, porém seria o estudo da comunidade a expressão correta. GABARITO: B 

58. Sobre estratégia de busca, é correto afirmar que

(A) amplia de forma permanente os resultados para a obtenção de informações mais relevantes, conforme o pedido de busca demandado.

(B) corresponde às técnicas ou regras que tornam possível o encontro entre uma pergunta e a informação armazenada em uma base de dados.

(C) corresponde à execução de movimentos e opera- ções de processamento da informação.

(D) equivale ao ato ou efeito de buscar de forma livre e sem regras a informação demandada pelo usuário.

(E) implementa de forma sistemática e por regra tácita a restrição dos resultados.

Análise: O gabarito é o conceito perfeito. GABARITO: B 

59. Elaborada para uso em serviços nacionais de catalogação para intercâmbio de informações, a ISBD tem como áreas de especificação de elementos, nessa ordem:

(A) título e responsabilidade, edição, detalhes específicos de material, dados de publicação, descrição física, série, notas e ISBN.

(B) dados de publicação, título e responsabilidade, detalhes específicos de material, edição, descrição física, série, ISBN e notas.

(C) detalhes específicos de material, série, título e responsabilidade, edição, dados de publicação, descri- ção física, notas e ISBN.

(D) título e responsabilidade, dados de publicação, edição, descrição física, série, notas, ISBN e detalhes específicos de material.

(E) detalhes específicos de material, título e responsabilidade, dados de publicação, edição, descrição física, série ISBN e notas.

Análise: Bom, mesmo que você não tenha decorado todas as parte do ISBD, é tranquilo lembrar que ele orienta a ordenação dos dados nas clássicas fichas, e nelas sempre entramos por título e responsabilidade e no final de tudo o ISBN. Já matava a questão! Para saber mais veja sobre no site da BN AQUI.

GABARITO: A

60. No AACR2, os capítulos da primeira parte são referentes à representação descritiva por tipos de materiais específicos de forma que

(A) quadros, artefatos tridimensionais e reália são materiais tratados no capítulo 10.

(B) filmes cinematográficos, gravações de vídeo e fotografias são materiais tratados no capítulo 7 de materiais iconográficos.

(C) gravações de som, ou seja, registros sonoros são materiais tratados no capítulo 6.

(D) livros, folhetos, teses e dissertações são tratados no capítulo 2 de monografias.

(E) partituras, discos, fitas, discos compactos em CD ou DVD são tratados no capítulo 5 sobre música.

Análise: Estrutura do AACR2 Dividi-se em duas partes:

Parte I – Descrição

Parte II – Pontos de Acesso, Títulos Uniformes, Remissivas.

Parte I – Descrição

1 Regras Gerais de Descrição 

2 Livros, Folhetos e Folhas Impressas

3 Materiais Cartográficos

4 Manuscritos (incluindo Coleções Manuscritas)

5 Música

6 Gravação de Som

7 Filmes Cinematográficos

8 Materiais Gráficos

9 Recursos Eletrônicos

10 Artefatos Tridimensionais e Realia

11 Microforma

12 Recursos Contínuos

13 Análise

Parte II – Pontos de Acesso, Títulos Uniformes, Remissivas.

21 Escolha dos Pontos de Acesso

22 Cabeçalhos para Pessoas

23 Nomes Geográficos

24 Cabeçalhos para Entidades

25 Títulos Uniformes

26 Remissivas 

GABARITO: C

61. No formato MARC21, o título abreviado, o título traduzido pela instituição catalogadora, o título principal, o título uniforme e formas variantes do título são descritos, respectivamente, nos campos de número:

(A) 240, 242, 245, 246, 247.

(B) 210, 240, 242, 243, 245.

(C) 240, 242, 245, 210, 246.

(D) 210, 242, 245, 240, 246.

(E) 242, 240, 246, 245, 247.

Análise: Outra questão do tipo, você não precisa saber tudo. Eu acertei apenas sabendo o número do título principal e uniforme (os mais cobrados). 

GABARITO: D

62. O modelo conceitual para o universo bibliográfico denomina-se

(A) GARE.

(B) RDA.

(C) VIAF.

(D) FRBR.

(E) ISNI

Análise: Falou em modelo conceitual é FRBR. GABARITO D

63. Nas linguagens documentárias, as relações de equivalência entre o termo preferido e não preferido podem ser do tipo:

(A) variantes lexicais, instância, partitiva, inclusão genérica e referências cruzadas para termos compostos.

(B) sinônimos, homônimos, quase-sinônimos, antônimos, genérica e partitiva.

(C) sinônimos, quase-sinônimos, genérica, instância, partitiva e referências cruzadas para termos compostos.

(D) sinônimos, instância, inclusão genérica e referências cruzadas para termos compostos.

(E) sinônimos, variantes lexicais, quase-sinônimos, inclusão genérica e referências cruzadas para termos compostos.

Análise: As relações de equivalência são as relações de sinonímia, em que há termos sinônimos presentes no tesauro e deve-se indicar qual o termo adequado para representar determinado conceito. As relações de equivalência são representadas pelos símbolos Use e UP (Usado para). Por último as correlações apresentam associações entre os termos, sem especificar qual o tipo de relação propriamente existe, são apenas termos que se relacionam de alguma forma. As correlações são representadas pelos símbolos TR (Termo relacionado) ou TA (Termo associado).

Fonte: https://goo.gl/LHOaQI

 GABARITO: E 

64. Sobre os sistemas de classificação bibliográfica, é correto afirmar que a

(A) Classificação Decimal de Dewey é publicada em edição completa e abreviada, sendo a atual edição completa a 23a

(B) Classificação Decimal de Dewey é publicada em edição completa e abreviada, sendo a atual edição completa a 22a

(C) Classificação Decimal de Dewey é mantida e atualizada pelo consórcio UDC.

(D) Classificação Decimal Universal é mantida e atualizada pela OCLC.

(E) Classificação Decimal Universal tem as mesmas classes que a Classificação Decimal de Dewey.

Análise: Só precisava saber a edição atual da CDD para acertar a questão! GABARITO: A

65. A etapa de indexação de assunto que consiste em decidir do que trata um documento é a:

(A) seleção terminológica.

(B) análise conceitual.

(C) tradução.

(D) análise da estrutura do texto.

(E) leitura do título.

Análise: Questão super manjada sobre indexação, tem que tá na veia as duas fases que o Lancaster disse: análise conceitual, descobrir o assunto do documento, e tradução para os termos/palavras-chave do sistema!  GABARITO: B

66. A norma ISO 25964

(A) apresenta recomendações para o desenvolvimento e manutenção de tesauros monolíngues e multilíngues.

(B) é aplicável a bases de dados e softwares usados para pesquisa e para indexação automática.

(C) é aplicável a índices analíticos de livros por ser a norma desenvolvida para este fim.

(D) apresenta recomendações para a elaboração de resumos para todo tipo de recursos de informação.

(E) foi desenvolvida para atualizar os processos e substituir norma específica sobre indexação de documentos.

Análise: Olha não é a primeira questão que vejo pedindo sobre essa norma….  GABARITO: A 

67. A referência do artigo intitulado “A cultura da informação nas bibliotecas públicas brasileiras” de autoria de Josiel Machado Santos, publicado online, segundo a NBR 6023:2002, é

(A) Santos, J. M. A cultura da informação nas bibliotecas públicas brasileiras. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, vol. 10, n. 1, p. 54-67, 2014.

(B) Santos, Josiel Machado. A cultura da informação nas bibliotecas públicas brasileiras. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação. São Paulo, vol. 10, no 1, p. 54-67, jan./jun. 2014. Disponível em: . Acesso em: 6 out. 2015.

(C) SANTOS, Josiel Machado. A cultura da informação nas bibliotecas públicas brasileiras. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, v. 10, n. 1, p. 54-67, jan./jun. 2014. Disponibilizado em: . Acessado em: 6 out. 2015.

(D) SANTOS, J. M. A cultura da informação nas bibliotecas públicas brasileiras. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação. São Paulo, v. 10, no 1, p. 54-67, jan./jun. 2014. Disponível em: . Acesso em: 6 out. 2015.

(E) SANTOS, J. M. A cultura da informação nas bibliotecas públicas brasileiras. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, São Paulo, v. 10, n. 1, p. 54-67, jan./jun. 2014. Disponível em: . Acesso em: 6 out. 2015.

Análise: Qual a diferença entre D e E? o n° não tem ° jamais! E outra (dica do Sérgio nos comentários, valeu) Logo após o nome do periódico a norma recomenda colocar uma vírgula e não um ponto conforme mostrado na alternativa “D”. GABARITO: E

68. Em relação à norma de citação, NBR 10520:2002, é correto afirmar que

(A) citação de citação é a menção de uma informação de obra consultada.

(B) citação de citação é uma citação indireta de um texto em que se teve acesso ao original.

(C) citação indireta é a transcrição textual de parte da obra do autor consultado.

(D) citação indireta refere-se a texto baseado na obra do autor consultado.

(E) citação direta refere-se a texto baseado na obra do autor consultado.

Análise: Retirado da própria ABNT:

Definições Para os efeitos desta Norma, aplicam-se as seguintes definições:

3.1 citação: Menção de uma informação extraída de outra fonte.

3.2 citação de citação: Citação direta ou indireta de um texto em que não se teve acesso ao original.

3.3 citação direta: Transcrição textual de parte da obra do autor consultado.

3.4 citação indireta: Texto baseado na obra do autor consultado

GABARITO: D

69. As bibliotecas municipais utilizam as redes sociais para divulgação de suas atividades, sendo que as ferramentas “SP Cultura”, “@BibliotecasSP”, “BibliotecasSP” e “Um Instante na Biblioteca” são, respectivamente:

(A) Twitter, Facebook, plataforma livre e colaborativa e blog.

(B) Facebook, Twitter, blog, plataforma livre e colaborativa.

(C) plataforma livre e colaborativa, Twitter, Facebook e blog.

(D) plataforma livre e colaborativa, Facebook, Twitter e blog.

(E) blog, plataforma livre e colaborativa, Twitter e Facebook.

Análise: Se você soubesse que o endereço no Twitter sempre tem uma @antes acertava. GABARITO: C

70. A Web Semântica

(A) refere-se à documentação de dados para a criação e gestão de repositórios.

(B) constrói vocabulários controlados com regras de uso para dados estruturados e desestruturados intercambiáveis.

(C) objetiva possibilitar que computadores façam coisas mais úteis e que o desenvolvimento de sistemas possa oferecer suporte a interações na rede.

(D) possibilita a separação de dados utilizando tecnologias com ênfase em relacionamento-entidade-atributo como RDF, SPARQL, OWL e SKOS.

(E) evoluiu da “Web de dados” para a “Web de documentos”, com a ajuda da International Standards Organization para a normalização de tecnologias.

Análise: Copiado e colado do site W3C Brasil:

“Evoluindo a já clássica e conhecida “Web de documentos”, o W3C ajuda no desenvolvimento de tecnologias que darão suporte à “Web dos dados”, viabilizando pesquisas como num banco de dados. O objetivo final da Web de dados é possibilitar com que computadores façam coisas mais úteis e com que o desenvolvimento de sistemas possa oferecer suporte a interações na rede. O termo “Web Semântica” refere-se à visão do W3C da Web dos Dados Linkados. A Web Semântica dá às pessoas a capacidade de criarem repositórios de dados na Web, construírem vocabulários e escreverem regras para interoperarem com esses dados. A linkagem de dados é possível com tecnologias como RDF, SPARQL, OWL, SKOS.

GABARITO: C 

71. O catálogo do Sistema Municipal de Bibliotecas permite fazer

sp 2

(A) “Pesquisa de Autoridade” em vários campos (título, autor, assunto, editora, coleção/série, local, classificação, ISBN e ISSN).

(B) “Pesquisa por palavra” reduzida ao campo de título.

(C) “Pesquisa de Autoridade” por meio da combinação de palavras nos campos de título, editora, coleção/série, local, ISBN e ISSN.

(D) “Pesquisa por índice” nos campos controlados de autor e assunto.

(E) “Pesquisa avançada” por meio da combinação de palavras contidas nos campos com os operadores booleanos.

Análise: Tantos absurdos nas opções que imagino ter sido fácil chegar ao GABARITO E.

72. O Manifesto IFLA sobre Internet estabelece a:

(A) preservação da estabilidade, segurança e funcionalidade da rede, por meio de medidas técnicas compatíveis com os padrões internacionais e pelo estímulo ao uso de boas práticas.

(B) liberdade de acesso à informação, independentemente de suporte e fronteiras, como uma responsabilidade primordial da biblioteca e dos profissionais da informação.

(C) proteção da privacidade e dos dados pessoais, preservação e garantia da neutralidade de rede e da natureza participativa da rede.

(D) adesão a padrões tecnológicos abertos que permitam a comunicação, a acessibilidade e a interoperabilidade entre aplicações e bases de dados.

(E) disciplina do uso da internet no Brasil tendo como fundamento o respeito à liberdade de expressão e o reconhecimento da escala mundial da rede.

Análise: Leia o manifesto na integra AQUI. Detalhe importante que no edital estava EXPLÍCITO que ia cair! GABARITO: B

73. Sobre a ação cultural na biblioteca, é correto afirmar que se refere:

(A) à ideia de transformação e emancipação nas condições que levam à capacidade criativa, à produção cultural e ao processo de educação coletiva.

(B) à animação cultural como dimensão exclusiva do profissional da informação que atua na biblioteca pública.

(C) à ênfase a atividades destinadas ao consumo de produtos culturais acabados, relacionada a projetos de animação institucionalizada e utilitária.

(D) a atividades voltadas apenas para a leitura nas bibliotecas públicas a fim de efetivar seu papel de biblioteca educativa.

(E) à atuação em atividades para divulgar livros e leitura com o objetivo de fazer o marketing da biblioteca.

Análise: Quem fez o Intensivo Santa biblioteconomia deve ter se lembrado da minha fala sobre a ação cultural que modifica o indivíduo e o torna um ser mais pensante e questionador! O melhor autor para estudar ação cultural é o Coelho Neto. Sempre cai. GABARITO: A

74. Para a aplicação de programas de letramento informacional nas bibliotecas, deve(m)-se considerar

(A) a emergência do conceito e a consciência do papel educativo do professor nas salas de leitura.

(B) a multiplicidade de ações inerentes às funções do bibliotecário e o entendimento da biblioteca como espaço de leitura.

(C) a tensão percebida entre biblioteca e sala de aula, reservando a ação educativa e informacional para o professor.

(D) as habilidades informacionais, as estruturas para aprendizagem do processo de pesquisa e as diretrizes para avaliação da aprendizagem das habilidades.

(E) as práticas educativas exercidas por bibliotecários que atuam em bibliotecas públicas e escolares e sua contribuição para a aprendizagem da leitura básica

Análise: Questão retirada das Diretrizes Sobre Desenvolvimento De Habilidades Em Informação Para A Aprendizagem Permanente da IFLA. Leia ele completo AQUI.

GABARITO: D

75. No exercício da mediação cultural em bibliotecas públicas,

(A) estabelece-se a divergência entre a produção e recepção de bens simbólicos e os dispositivos culturais.

(B) deve-se observar o processo de produção que garanta a participação individualizada do usuário.

(C) deve-se observar a organização dos espaços, frequência na realização das atividades culturais e práticas desenvolvidas.

(D) incentiva-se a participação dos indivíduos como expectadores, desvinculados dos processos de apropriação.

(E) observa-se a dissociação dos espaços de atividades e a apropriação do conhecimento.

Análise: Outra questão copiada e colada de um artigo:

“No exercício da mediação cultural em bibliotecas públicas, no encontro dialógico entre bibliotecários e usuários, mediar informações solicita um olhar atento para a constituição de acervos, organização dos espaços, frequência na realização das atividades culturais e práticas pedagógicas desenvolvidas nessas instâncias. Por conseguinte, estabelece-se fundamentalmente uma convergência entre dois horizontes: a produção e recepção de bens simbólicos e os dispositivos culturais (bibliotecas) como espaços de apropriação do conhecimento.”

FONTE: RASTELI, Alessandro; CAVALCANTE, Lídia.   Mediação cultural e apropriação da informação em bibliotecas públicas. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, v. 19, n. 39, p. 43-58, jan./abr., 2014. Disponível em: https://goo.gl/3XRjBZ Acesso: 18.11.2015

GABARITO: C

76. A biblioteca pública, hoje, no Brasil, considerada como um espaço às práticas leitoras, tem

(A) mantido a postura de guarda de patrimônio documental garantindo o acesso aos livros para leitura.

(B) evitado constituir-se como espaço cultural para assegurar a dedicação dos usuários às atividades de leitura.

(C) sido explorada adequadamente para colaborar na formação do leitor com qualidade e efetividade.

(D) atendido a expectativa da sociedade e extrapolado os objetivos básicos de repositório.

(E) procurado fornecer à comunidade o acesso à informação e à leitura de modo democrático.

Análise:  Ou a Lídia Cavalcante era da banca ou alguém realmente curte o trabalho dela. Outra questão retirada de um artigo de sua autoria.

“as instituições culturais e educativas têm papel primordial na transformação da sociedade e na sustentabilidade de projetos que ampliem o acesso ao conhecimento e às suas diferentes formas de manifestação. No caso da cultura, cabe à biblioteca pública a responsabilidade de fornecer à comunidade o acesso à informação e à leitura, de modo democrático e com qualidade, principalmente nos casos em que essa instituição representa o único equipamento cultural existente na maioria dos municípios brasileiros.”

Fonte: CAVALCANTE, L. E. Cultura informacional e gestão de bibliotecas públicas municipais: competências e usos da informação. In: XI ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO. Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: <http://goo.gl/TvYpeH>  Acesso em: 18 nov. 2015

GABARITO: E

77. É(São) fundamental(is) para o bibliotecário mediador da cultura e da leitura:

(A) o foco para processos físico e técnico de materiais, referências e bibliografias.

(B) a prática profissional restrita à mediação e à gestão da informação impressa e eletrônica.

(C) o auxílio aos usuários para encontrar os materiais bibliográficos e atender às demandas de informação.

(D) a contribuição para o desenvolvimento intelectual dos usuários e a competência educativa.

(E) o conhecimento e formação essencialmente técnica e gerencial.

Análise: Única questão que se encaixa é o GABARITO D 

78. Os principais eixos que orientam a organização do Plano Nacional do Livro e da Leitura são:

(A) programas com integrantes que se interessem vivamente pelos livros, compartilhamento de práticas, conhecimentos e ações interativas.

(B) democratização do acesso, fomento à leitura e à formação de mediadores, valorização do livro e da comunicação e desenvolvimento da economia do livro.

(C) o espaço do livro no imaginário nacional, o poder simbólico e a valorização do livro, famílias leitoras e compartilhamento de práticas de leitura.

(D) representações afetivas em torno da leitura, escolas que saibam formar leitores e velhas e novas gera- ções se influenciando mutuamente.

(E) mediadores bem formados como professores, bibliotecários e gestores, a existência de múltiplas estratégias, projetos de gestão e recursos institucionais.

Análise: Questão que era certa de cair. Tava no edital essa lei, e quando cai lei, tem que estudar! GABARITO: B

79. O Código de Ética Profissional apresenta normas de conduta para aqueles que exerçam as atividades profissionais em Biblioteconomia. Na Seção II, dos Deveres e Obrigações, está indicado o que cumpre ao bibliotecário quanto

(A) a defender e ser defendido pelo órgão de classe, se ofendido em sua dignidade profissional.

(B) ao exercício de suas atividades e profissão, à conduta em relação aos colegas, à classe, aos usuários e ao bem público.

(C) a votar e ser votado para qualquer cargo ou função em órgãos ou entidades de classe, nos termos da legislação vigente.

(D) ao exercício de sua profissão, independentemente de questões referentes à religião, raça, sexo, cor, idade e situação econômica.

(E) a recusar-se a prestar contas de bens e numerário que lhes sejam confiados em razão de cargo, emprego ou função.

Análise: Essa questão dava pra confundir pois de primeira é fácil procurar entre as opções os deveres e obrigações, depois com atenção percebemos que a questão pede todas as sessões do código que tem deveres e obrigações. GABARITO: B 

80. A Lei no 4.084, de 1962, que dispõe sobre a profissão de bibliotecário e regula seu exercício, e a Lei no 9.674, de 1998, que dispõe sobre o exercício da profissão e determina outras providências, estabelecem que

(A) para o provimento e exercício de cargos de bibliotecários e documentalistas, na administração pública, autárquica, paraestatal, nas empresas sob intervenção governamental ou nas concessionárias de serviço público, é obrigatória a apresentação do diploma de bacharel em Biblioteconomia.

(B) para o provimento e exercício de cargos de bibliotecários e documentalistas, na administração pública, autárquica, paraestatal, nas empresas sob intervenção governamental ou nas concessionárias de servi- ço público, é obrigatória a apresentação de registro no Conselho Federal de Biblioteconomia.

(C) as bibliotecas públicas localizadas em municípios com até dez mil habitantes e cujo acervo não ultrapasse duzentos exemplares catalogados não podem funcionar sob a supervisão de um Técnico em Biblioteconomia, mesmo se registrado perante o Conselho.

(D) a apresentação do diploma de bacharel em Biblioteconomia dispensa a prestação de concurso público, quando este for exigido para o provimento dos cargos.

(E) as bibliotecas públicas localizadas em municípios com até dez mil habitantes e cujo acervo não ultrapasse a duzentos exemplares não precisam comunicar ao respectivo Conselho Regional de Biblioteconomia a criação, o funcionamento e a responsabilidade técnica da Biblioteca, para fins de anotação e controle, sendo isentas de qualquer taxa ou contribuição.

Análise: Questão boba e óbvia mas que confunde muito. Tá lá no Art. 3º. Para o provimento e o exercício de cargos técnicos de Bibliotecários, Documentalistas e Técnicos de Documentação, na administração pública federal, estadual ou municipal, autárquica, paraestatal, nas empresas de economia mista ou nas concessionárias de serviços públicos, é obrigatória a apresentação de diploma de Bacharel em Biblioteconomia, respeitados os direitos dos atuais ocupantes.      (Redação dada pela Lei nº 7.504, de 1986)

GABARITO: A

 

O que eu achei da prova?

Gostei da abordagem, apesar de ter achado algumas opções mal elaboradas, no todo achei uma prova boa! Bem mais tranquila do que esperava, Vunesp como era previsto focou bastante no papel do bibliotecário como transformador da realidade cobrando conceitos de mediação de leitura, competência, biblioteca pública e estudos de usuário. Por se tratar de um concurso em que os aprovados vão trabalhar em locais realmente carentes no sentido educacional e de lazer é muito importante que a consciência do papel da biblioteca nesse cenário seja relevante como consta na prova.

Sei que com a pressão de fazer várias questões de diferentes disciplinas e o nervosismo normal, acabamos errando questões fáceis. Não se julgue tanto, se foi mal sofra uns 2 dias e depois bola pra frente que vários outros concursos vão vir. O que não dá é pra dessitir!

 

Ranganathan não faz milagre, estudar sim!

Beijos Thalita Gama

Anúncios

2 thoughts on “Análise de prova: Prefeitura de SP

  1. Olá Thalita…muito boa a sua análise…está sendo de grande valia em meus estudos.

    Analisando a questão 67 da Pref. SP 1025 achei mais um detalhe que confirma a resposta letra “E”:

    E) SANTOS, J. M. A cultura da informação nas bibliotecas públicas brasileiras. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, São Paulo, v. 10, n. 1, p. 54-67, jan./jun. 2014. Disponível em: . Acesso em: 6 out. 2015.

    Logo após o nome do periódico a norma recomenda colocar uma vírgula e não um ponto conforme mostrado na alternativa “D”.

    Bj grande

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s